Boas Maneiras e os Hormonídeos: 25a de 100 Dicas de Boas Maneiras para os Homens

Nada pode ser mais tolo e limitante do que reduzir o que se é à apenas um aspecto do ser humano, principalmente se nos reduzimos a uma expressão da nossa animalidade, que é sempre inferior ao espírito. ( O secundário segue o principal.)

Se isto não fosse tão triste e pernicioso seria até engraçado pelo ridículo a que reduz o homem: imaginem homens submetidos aos apelos dos seus instintos sexuais como um cão sem controle a roçar-se em qualquer coisa. E pior, pensando que nisto está o seu valor como pessoa.  Se no animal já é patético, no homem é o máximo do ridículo.

Submetidos aos hormônios então, alguns homens escolhem expor-se, ser e relacionar-se, como se o que são, fosse medido pela maior ou menor capacidade de satisfação do que na verdade é só hormônio. E assim ao invés de homo sapiens, surgem os hormonídeos, homens reduzidos aos seus hormônios. Pergunte-se: você é apenas o que dizem seus hormônios?

E assim, pelo natural egoísmo humano ao qual se pode somar nossa habitual falta de boa educação, ficam os hormonídeos a dispor das pessoas à sua volta como se tudo existisse para sua satisfação pessoal. Para hormonídeos é sempre necessário lembrar que todos nós somos seres humanos com direitos, sentimentos e dignos de todo respeito. Mas os hormonídeos agem como se, ao lhes negarmos suas investidas de cunho sexual estivéssemos lhes negando o seu valor, criticando ou diminuindo a sua macheza. Hora que culpa temos nós que você, hormonídeo, reduziu o seu ser a uma função meramente animal?

Alguns chegam assim a tomarem como próprio e de direito o corpo de outras pessoas. Sim, pessoas e não apenas mulher porque onde campeia o hormonio como referência é preciso sempre lembrar que somos todos pessoas, seres humanos, com inteligência e vontade, feitos à imagem e semelhança de Deus e que portanto somos dignos de todo respeito e jamais podemos ser coisificados para satisfação de animais.

Os hormonídeos se esquecem que esses arroubos são apenas hormônios e que eles podem sim dirigir a própria vida com base em valores mais elevados. Valores aliás que dão satisfação mais profunda e duradoura. Mas, agindo como uma besta, que não à toa é um termo que define o próprio demônio, os hormonídeos danam a própria vida e a dos outros.

O ridículo caso do funcionário da Rede Globo que aos 67 anos assediava uma modesta funcionária da emissora é emblemático dessa ignorância.

Em português claro: o homem sente seus ímpetos hormonais, identifica a sua própria essência com aquela sensação provocada pelos hormônios e logo isso é a sua própria identidade. Mas deixa estar que isso, na verdade, é uma redução da sua pessoa, de sua dignidade humana. Essa redução o bestializa. Lembre-se que a satisfação animal é sempre um gozo curto que logo exige a sua repetição. E essa repetição descontrolada e super valorizada bossaliza. Deixe os seus hormônios controlarem quem você é e ao invés de um "machão' você será um exemplar bossal. E quanto mais tentar ser machão nessa direção, mais bestializado você vai ser hormonídeo! Lembre-se, você não é só um reprodutor! 

E como o egoísmo masculino tem essa verve central de medir a importância dos outros conforme os outros lhe sirvam, lhe sejam úteis ou agradáveis, facilmente o hormonídeo desenvolve a doença do machismo a partir da sua bossalidade que não é mais que medir os outros conforme seu estreito horizonte de serventia sexual. E se somarmos a isso a ignorância cultural, a falta de refinamento, falta de preparo físico, e o extremo mau gosto ao vestir-se típico dos homens reduzidos à sua cega vaidade, encontraremos a razão de muitas infelicidades familiares e conjugais.

Não é à toa que todo machista dispara reprovação a torto e à direita: o mundo só é bom se lhe serve dada a grandeza do que lhe provocam seus hormônios e que só ele conhece, engana-se ele. Tão visceral é essa desorientação que muitos sofrem falsas frustrações, cometem crimes, difamam, desprezam ou atacam, mas todo mal na verdade está na sua desordem de não saber que o espírito comanda os hormônios e não ao contrário.

O respeito devido ao homem se deve por suas qualidades reais. Apresentar-se em sociedade como alguém a quem os hormônios dominam conversa, interesse e o próprio reflexo no espelho é bestializar-se. E daí que temos uma sociedade onde existem tantos estupros, morte de mulheres o que somado com tantos corruptos não dá boa coisa. 

A pessoa de boas maneiras mantém os seus relacionamentos sexuais dentro da normalidade e não como uma referência de quem é. A pessoa verdadeiramente educada tem um bom relacionamento conjugal, é fiel e aberta aos filhos porque escolhe valores eternos, verdadeiros. O mais é luxúria e confusão egoísta.